Os anos sem fim

por Tulio Muniz*

Lá se vai 2017, outro ano que não terminou.

Pelo menos no Brasil, que desde 2013 vive uma sequência de anos inconclusos.

Brasil, o eterno ‘país do futuro’, onde impera o ‘jeitinho brasileiro, um tipo de ‘devir bandido’ latente na mentalidade duma sociedade na qual todos transgridem à vontade, no macro e no micro político do cotidiano.

2016, não terminou por então serem imprecisos os rumos do golpe.

2015: errático, o governo Dilma em vão tentava recompor-se do desastre resultante do estelionato eleitoral.

2014, não terminou por conta de Dilma, reeleita, sinalizar que adotaria um programa de governo pleno de propostas de seus adversários.

2013, quando se engendrou a união da direita e alargou-se o abismo entre as esquerdas.

Nesse sentido, 2013 ecoa até hoje.

É o que alimenta as declarações recentes do deputado estadual pelo PSOL do RJ, Marcelo Freixo, apontando para impossibilidades de alianças à esquerda, e também o que encorpou as declarações de Lula, de Julho /2017, em entrevista ao blog do jornalista José Trajano:

“A única coisa que e desejo é que eles ganhem alguma coisa, eu quero que eles governem a cidade do Rio de Janeiro. Quando eles governarem a cidade do Rio do Janeiro, metade da frescura deles vai acabar. Eles vão perceber que não dá pra gente nadar teoricamente. Você não pode ficar na beira da praia falando ‘você dê uma braçada pra cá, uma braçada pra lá, levanta a cabeça…’. Entra na água e vai nadar, pô! Então eu quero que eles governem uma cidade. Depois que eles governarem uma cidade eles vão compreender que nem o Sarney, quando foi em 2006 [1986], que elegeu 323 deputados constituintes e 23 governadores, conseguiu governar. O problema é o seguinte: eles ‘se acham’. Sabe aquele cara que levanta de manhã, vai no espelho e fala, ‘espelho, espelho meu: tem alguém mais fodido que eu? Tem alguém mais sério do que eu? Tem alguém mais honesto que eu, mais bonito que eu, mais sabido que eu?”.

2013, o mais emblemático de todos os ‘anos sem fim’, acerca do qual escrevi, em artigo publicado em fins de 2016, o trecho abaixo, tão atual — infelizmente:

“O governo Dilma Rousseff perdeu, em 2013, grande oportunidade de viragem e transformação definitiva da postura da classe política perante a sociedade. Nas manifestações populares daquele ano, todos os estratos sociais se encontram nas ruas, protestando contra os altos gastos em mega-eventos desportivos – as Copas das Confederações e do Mundo – , em detrimento de melhorias na infraestrutura para transporte individual ou coletivo, de priorização de políticas públicas de Segurança, Saúde, Educação, Habitação. A resposta aos protestos foi repressão policial pesada, nenhuma reforma na representatividade política-partidária, e o estabelecimento de apenas um programa amplo e importante, o Mais Médicos. O governo não compreendeu que 2013 não tratou-se ‘apenas de um deslocamento de palco – do palácio para a rua –, mas de afeto, de contaminação, de potência coletiva. A imaginação política se destravou e produziu um corte no tempo político’ (cf. Pelbart).

Ao contrário, uma direita diversificada, e até então desarticulada, teceu uma rede que antes se supunha sub-reptícia, utilizando de seus agentes institucionais e midiáticos, de discursos repressivos com vieses tanto policialescos quanto religiosos.

As esquerdas, por sua vez, não conseguiram assimilar as manifestações de 2013 no sentido de se unirem e, sobretudo, de agregarem cidadãos em torno de novas possibilidades de representação institucional, ao contrário do que ocorreu em Espanha a partir de 2011 – sendo evidente que entre a sociedade espanhola e a brasileira existem disparidades de práticas e perspectivas políticas e democráticas”.

O que esperar para 2018? Esperança? “A esperança é uma alegria instável, surgida da ideia de uma coisa futura ou passada, de cuja realização temos alguma dúvida” – Espinosa, na ‘Ética’.

Que as amizades e os bons afetos se fortaleçam, pois os maus se mantêm operantes.

TULIO MUNIZ, é professor de História na Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Jornalista Profissional

Leia também:

Raimundo Bonfim: Derrotar o retrocesso nas ruas

O post Tulio Muniz: 2017, outro ano que não terminou apareceu primeiro em Viomundo – O que você não vê na mídia.

Publicação de: Viomundo