FF_Marcelo-Crivella-eleito-prefeito-Rio-de-Janeiro-segundo-turno_00610302016-850x566

Marcelo Crivella (PRB) eleito prefeito do Rio de Janeiro em segundo turno. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil, via Fotos Públicas

por Rudá  Ricci, no Facebook

O que mudou ideologicamente?

Quem ganhou as eleições municipais que terminaram ontem?

Eu jogaria minhas fichas no “não voto” e nos evangélicos.

Seguidos pelo forte personalismo revestido de “apolítico”, o que joga água no moinho do desencanto com a democracia e o jogo de conquista do convencimento popular.

Quem perdeu? O PT.

O PCdoB quase dobrou o número de prefeituras que governa e o PSOL foi a estrela, pela esquerda, dessas eleições.

Neste caso, a redução da presença da esquerda nas prefeituras se confunde com a redução da presença petista. Não de toda esquerda. O que enseja uma leitura mais panorâmica deste quadro institucional.

O PT não apostou, principalmente durante a gestão Dilma, na esquerda e muito menos no seu crescimento.

Não propôs uma frente como a uruguaia.

Ao contrário. Caminhou para o lado oposto.

Lula já havia apostado na aliança com Maluf para eleger Haddad.

Antes, reeditou Collor e Sarney. Em Minas, blindou o então governador Aécio Neves.

Ora, esta lógica não daria razão à polêmica frase de Frei Betto, para quem o PT era governo, mas não tinha o poder?

Para não parecer fatalista, reedito a hipótese com outras palavras: as gestões lulistas não teriam fortalecido as lideranças conservadoras na última década e isolado a esquerda?

Temos a tendência em fazer leituras periodizadas do movimento histórico. Ajuda a racionalizar e sintetizar.

Mas, não raro, embaça a relação entre causa e efeito e dificulta a apreensão da dinâmica interna que transita entre um período para outro.

Muitas vezes, nem houve ruptura entre um período e outro, mas uma transição suave e cheia de contradições e paradoxos.

Assim, questiono: as forças conservadoras teriam surgido do nada nos últimos dois anos ou a mudança real se limitaria ao debacle petista?

De outra maneira: houve, efetivamente, mudança na composição ideológica dos governos ou mudança menor, de siglas que agora governam no lugar do PT, mas que já governavam com o PT?

O eleitor teria ficado mais conservador?

Enfim, o balanço das eleições municipais merece algo mais profundo que o fatalismo marqueteiro vem sugerindo nos últimos tempos.

Há, de fato, uma direita (e extrema direita) emergente no Brasil.

Mas o eleitor teria mudado efetivamente de ideologia?

Houve, efetivamente, uma mudança radical da cultura política do país em dois anos?

E, finalmente, o que concretamente teria levado à queda do PT ou a esta mudança ideológica do país (se ela efetivamente se alterou, hipótese que não me convence)?

Minha hipótese é: as respostas não estão nas siglas partidárias, mas no “não voto” e no crescimento dos evangélicos na política brasileira.

Leia também:

Paulo Nogueira: A aterradora confissão de Dallagnol 

 

O post Rudá Ricci: O “não voto” e os evangélicos ganharam as eleições municipais apareceu primeiro em Viomundo – O que você não vê na mídia.

Publicação de: Viomundo