Captura de Tela 2015-10-30 às 05.59.44

Zola: culpado até prova em contrário

Intimação de filho de Lula, às 23 horas, é prova do “país da meganhagem”

POR FERNANDO BRITO · 29/10/2015, no Tijolaço

Tenho afirmado aqui que o Brasil virou o país da “meganhagem”.

A Polícia passou a servir para produzir espetáculos políticos.

A polícia ter ido  ao apartamento de Luis Cláudio Lula da Silva   por volta das 23 horas da terça-feira, logo após ele ter chegado, com a mulher grávida, da festa de aniversário do pai é reveladora dos métodos que se empregam quando, em lugar de apurar, busca-se intimidar e humilhar.

Não é difícil acreditar que, até, os policiais estivessem de “campana” próximos ao Instituto Lula para segui-lo e intimá-lo assim que chegassem em casa.

Trata-se, é bom lembrar, de pessoa que não é acusada de nada, não está indiciada, tem endereço certo – aliás, apontado como suspeito por ter sido cedido por seu padrinho de batismo!

O tal depoimento seria hoje, quinta-feira, e havia obvio tempo hábil para que fosse feita, por exemplo, na manhã seguinte.

De novo, não é por ser apenas em relação ao filho do ex-presidente, é em relação a qualquer pessoa que não tem uma ordem de condução judicial, que apenas é intimada a prestar esclarecimentos.

É que quando se faz o que é desnecessário, é claro, está se fazendo algo com deliberada intenção em algo.

E, neste caso, o de provocar constrangimento.

Havia “risco de fuga”? Indicio de crime em flagrante? Qual o perigo que representava um rapaz com sua mulher grávida para ser perturbado neste horário? Onde estavam os policiais, “campanando” um ato particular onde se encontrava a Presidente da República? Com que fim, já que havia endereço sabido e não era aquele?

Infelizmente, não há na Polícia Federal chefes com capacidade de convocar seus subordinados a explicarem porque de uma notificação feita nestas circunstâncias e não segundo os procedimentos de praxe.

E não há, no Ministério da Justiça quem chame a direção da Polícia Federal às falas.

Porque aquilo é uma instituição da República e não o playground da meganhagem para fazer a sua politicagem de cabecinhas de pitbull.

PS do Viomundo1: Meu pai, militante comunista, era absolutamente contra a luta armada durante a ditadura militar. As idas de agentes do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) à minha casa eram duplamente arbitrárias: sem mandado e sem “crime presumido”. Éramos cinco crianças estupefatas com aqueles homens que saiam com sacos de estopa cheios de livros “suspeitos”. Romances de Zola, por exemplo. Ah, mas tinha uma coisa: os agentes do DOPS em Bauru sempre respeitaram o horário comercial.

PS do Viomundo2: Quer dizer que um procurador alheio à Operação Zelotes incluiu de última hora as empresas do filho de Lula na lista de busca e apreensão da PF, aprovada pela juíza que é casada com o prefeito tucano de Blumenau, aliado de Aécio Neves? Vai vendo.

PS do Viomundo3: A direita é burra. Está agindo com tal extremismo que vai despertar simpatia popular por Lula, o perseguido.

Veja também:

Em discurso, Lula diz que vai resistir a “três anos de pancadaria”; acompanhe a íntegra

O post Intimação às 11 da noite, em casa de mulher grávida: na ditadura, em Bauru o DOPS respeitava o horário comercial apareceu primeiro em Viomundo – O que você não vê na mídia.

Publicação de: Viomundo