A “democrata” do MPF

Da Redação

A procuradora Monique Cheker, do Ministério Público Federal, apoiou publicamente o golpe de Estado na Bolívia.

O presidente Evo Morales renunciou ao poder esta tarde, dizendo que o fazia para frear a violência política organizada pela oposição.

Desde o anúncio do resultado das eleições, apoiadores organizados de Carlos Mesa e Luis Fernando Camacho atacaram com violência física meios de comunicação, jornalistas, militantes indígenas e sindicais.

A prefeita indígena de Vinto, na região de Cochabamba, teve os cabelos cortados, foi pintada de rosa e agredida por milicianos, numa imagem que se espalhou rapidamente pelas redes sociais e ajudou a intimidar os apoiadores de Evo.

O Movimento ao Socialismo (MAS), de Evo, tem maioria no Congresso boliviano. Depois da renúncia de Evo, autoridades que deveriam sucedê-lo também pediram demissão.

Ao longo de seus 13 anos, 9 meses e 18 dias no poder, Morales teve grande sucesso econômico. Porém, causou grande ressentimento na classe média, especialmente em Santa Cruz, a maior cidade boliviana e base da extrema-direita.

Publicação de: Viomundo