Compartilhe agora!

<![CDATA[

]]>

O presidente interino Hamilton Mourão afirmou, em entrevista nesta tarde de quarta-feira (12) no Palácio do Planalto, que a demissão do secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, foi uma decisão do presidente Jair Bolsonaro. Ele reafirmou que a discussão sobre o CPMF tornou-se ‘pública demais’, antes mesmo de o presidente Jair Bolsonaro emitir uma opinião sobre o assunto.

“Foi decisão do presidente. A questão do imposto de transação financeira, que o presidente não tem nenhuma decisão a esse respeito e acha que a discussão se tornou pública demais antes de passar por ele, antes de ter sido discutido com ele. Esse troço transbordou e foi discutido em rede social e o presidente não gostou. O presidente também não é fã desse imposto”, declarou Mourão.

O chefe do executivo em exercício disse ainda que chegou a se reunir com Guedes e que discutiram sobre o assunto.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro demitiu Marcos Cintra não só pela CPMF; veja a verdade

Bolsonaro já deu stricke em oito auxiliares, 1 por mês; veja quem caiu do governo

Sobre a insatisfação anterior do governo com Cintra, que dava declarações que se contrapunham contra o próprio presidente Bolsonaro, Mourão disse que não chegou a discutir com o presidente, mas que considera Cintra extremamente comprometido e competente.

Mais cedo, Bolsonaro afirmou por meio do Twitter que Marcos Cintra foi demitido da Receita Federal por tentar recriar a antiga CPMF. O chefe do executivo disse ainda que a demissão aconteceu por divergências no projeto da reforma tributária.

Em nota, o Ministério da Economia comunicou que a saída foi um pedido do próprio secretário e esclareceu que ainda não há um projeto de reforma tributária finalizado.

Compartilhe agora!

Publicação de: Blog do Esmael