Por Esmael Morais

Publicado em 14/07/2019

Matéria publicada pela Folha de São Paulo na parceria com o Intercept mostra que o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, montou um plano de negócios baseado em eventos e palestras para lucrar com a fama.

Em uma conversa sobre o tema no fim de 2018, Deltan e um colega discutiram a constituição de uma empresa na qual eles não apareceriam formalmente como sócios, para evitar críticas.

Deltan escreveu para a mulher: “Vamos organizar congressos e eventos e lucrar, ok? É um bom jeito de aproveitar nosso networking e visibilidade”.

Os procuradores cogitaram criar um instituto e obter elevados cachês. “Se fizéssemos algo sem fins lucrativos e pagássemos valores altos de palestras pra nós, escaparíamos das críticas, mas teria que ver o quanto perderíamos em termos monetários”, comentou Deltan no grupo.

LEIA TAMBÉM
Deltan Dallagnol repete desculpas de Moro sobre mensagens vazadas

A lei proíbe que procuradores gerenciem empresas e permite que essas autoridades apenas sejam sócios ou acionistas de companhias.

Os diálogos examinados pela Folha e pelo Intercept indicam que Deltan ocupou os serviços de duas funcionárias da Procuradoria em Curitiba para organizar sua atividade pessoal de palestrante no decorrer da Lava Jato.

As mensagens mostram ainda que o procurador incentivava outras autoridades ligadas ao caso a realizar palestras remuneradas, entre eles o ex-juiz Sérgio Moro.

Já no início da lava jato, a dedicação de Deltan a cursos e viagens gerava descontentamento entre os colegas. Em uma conversa, o procurador buscou justificar suas atividades, dizendo que ela compensava um prejuízo financeiro decorrente da Lava Jato.

“Essas viagens são o que compensa a perda financeira do caso, pq fora eu fazia itinerancias [trabalho extraordinário em que, ao assumir tarefas de outro procurador, é possível engordar o contracheque] e agora faria substituições”, disse o procurador.

LEIA TAMBÉM
Intercept questiona imparcialidade do TRF4

A intensa atividade de Deltan como palestrante chamou a atenção da imprensa e levou os deputados federais Paulo Pimenta (PT-RS) e Wadih Damous (PT-RJ) a pedirem abertura de um procedimento disciplinar no Conselho Nacional do Ministério Público. O requerimento, porém, foi arquivado.

Deltan e o colega dele na força-tarefa Roberson Pozzobon criaram um grupo de mensagens específico para discutir o tema, com a participação das esposas deles.

“Antes de darmos passos para abrir empresa, teríamos que ter um plano de negócios e ter claras as expectativas em relação a cada um. Para ter plano de negócios, seria bom ver os últimos eventos e preço”, afirmou Deltan.

Pozzobon respondeu: “Temos que ver se o evento que vale mais a pena é: i) Mais gente, mais barato ii) Menos gente, mais caro. E um formato não exclui o outro”.

Após discussões sobre formatos do negócio, em 14 de fevereiro de 2019 Deltan propôs que a empresa fosse aberta em nome das mulheres deles, e que a organização dos eventos ficasse a cargo de Fernanda Cunha, dona da firma Star Palestras e Eventos.

Ele detalhou então como seria a organização formal da empresa. “Só vamos ter que separar as tratativas de coordenação pedagógica do curso que podem ser minhas e do Robito [Pozzobon] e as tratativas gerenciais que precisam ser de Vcs duas, por questão legal.”

Em seguida, o procurador alertou para a possibilidade de a estratégia levantar suspeitas. “É bem possível que um dia ela [Fernanda Cunha, da Star Palestras] seja ouvida sobre isso pra nos pegarem por gerenciarmos empresa”, disse.

Os diálogos indicam que Deltan ocupou os serviços de duas funcionárias da Procuradoria em Curitiba para organizar sua atividade pessoal de palestrante no decorrer da Lava Jato.

Dallagnol mostrava grande interesse quanto aos valores de cada palestra. Em setembro de 2018 ele disse em uma conversa: “As palestras e aulas já tabeladas neste ano estão dando líquido 232k. Ótimo… 23 aulas/palestras. Dá uma média de 10k limpo”, afirmou.

Ou seja, o cerco vai se fechando contra Dallagnol e as explicações mal dadas na entrevista ao Estadão caem por terra. Ele não apenas agiu politicamente, mas buscava lucro com a posição que ocupa.

As informações são da Folha de São Paulo e The Intercept.

Publicação de: Blog do Esmael