Por Esmael Morais

Publicado em 12/07/2019

Com votos contrários do PSL, os deputados da oposição conseguiram aprovar o destaque do PDT à proposta de reforma da Previdência reduzindo a idade mínima de aposentadoria dos professores.

As professoras agora se aposentam com 52 anos e os professores com 55. No texto-base, a idade mínima era de 55 anos para as mulheres e 58 anos para homens. O destaque foi aprovado por 465 votos a 25.

O líder PDT na Câmara, deputado André Figueiredo (CE), considerou uma estratégia de redução de danos na PEC da perversidade contra os mais humildes. “Parabéns aos profissionais que fazem a educação do nosso país pela vitória!”, disse.

LEIA TAMBÉM
Governo Bolsonaro inicia a privatização das Universidades Federais

A líder da Minoria na Câmara dos Deputados, Jandira Feghali (PCdoB-RJ), diz que era necessário valorizar quem faz educação, trabalha com conhecimento, saber, pluralidade, adversidade e formação com capacidade de pensar.

“Precisam da atenção deste parlamento para ao final de sua vida laboral terem uma vida qualificada. São pessoas fundamentais para a construção de uma sociedade plural, diversa, consciente e civilizada.”, disse.

“A aprovação da reforma da Previdência foi péssima para o país e não há o que comemorar. Mas o combate da oposição no parlamento e a mobilização social nas ruas conseguiu reduzir danos em temas importantes e até derrotar o governo em pontos, como impedir a aprovação do regime de capitalização e a desconstitucionalização, a redução do tempo de contribuição dos homens e redução da idade mínima para professores. Continuaremos mobilizados, lutando no Congresso e nas ruas contra o desgoverno Bolsonaro!”, argumentou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).

A deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), que fez o encaminhamento da votação do destaque, fez alusão ao papel relevante na educação de Paulo Freire e Anísio Teixeira.

Ela também aproveitou para criticar duramente os partidos governistas. “Confirmando o nosso compromisso com os professores, aprovamos idade menor (…) Os partidos PSL e Novo votaram não à categoria. Inimigos da educação!”, protestou.

“Conseguimos amenizar danos impostos aos professores (…)Partido de Bolsonaro votou contra outros destaques que beneficiariam nossos educadores”, afirmou a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR).

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) houve muito esforço para se chegar ao resultado. “Batalhamos muito pra retirar os professores da reforma da previdência, mas não foi possível. Conseguimos diminuir o dano, reduzindo as idades. Seguiremos na luta no segundo turno”.

“Entre os retrocessos, mais uma vitória! Com luta e diálogo, conseguimos reduzir a idade para a aposentadoria de professores na regra de transição: 52 anos para mulheres e 55 anos para homens. É o nosso compromisso com a Educação brasileira, base para o desenvolvimento do Brasil!”, comemorou o líder da Oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ).

As informações são do Vermelho.

Publicação de: Blog do Esmael