Reprodução do You Tube

Marcos Lisboa, do Insper: futuro ministro?

Da Redação

O dólar terminou o dia quase em R$ 4,20, a maior marca desde a implantação do Plano Real.

“Diante de uma das disputas presidenciais mais imprevisíveis na história do país, o que chacoalhou o mercado hoje foi o risco de uma volta do PT ao governo”, noticiou o diário conservador Valor Econômico, pertencente à família mais rica do Brasil, a dos Marinho.

O tal “mercado” estaria de olho em trackings internos que registram a transferência de votos entre o ex-presidente Lula e o agora candidato oficial do PT, Fernando Haddad.

Os contratos de juros futuros também encerraram o dia em alta. Ouvido pelo Valor, David Cohen, sócio e gestor da Paineiras Investimentos, disse que as chances de Bolsonaro diminuiram depois que o candidato do PSL sofreu nova cirurgia e corre o risco de não se recuperar do atentado a faca que sofreu a tempo de fazer campanha de rua.

“Isso reduz as chances dele ganhar da esquerda no segundo turno”, afirmou Cohen.

Há alguns dias, o próprio Valor revelou a posição ambígua de operadores do mercado em relação a Haddad:

“Com um programa econômico heterodoxo, que relativiza a necessidade de reformas, se o candidato do PT continuar mostrando avanço nas pesquisas também a temperatura nos mercados deve subir, trazendo ainda mais volatilidade aos preços”, registrou o texto.

Porém, acrescentou: “Mas, à boca miúda, o que alguns experientes analistas dizem é que há chance de o petista ajustar o discurso após o primeiro turno. Leitura que gestores e economistas passaram a fazer após encontros privados com o candidato — chamado de “o mais tucano dos petistas” –, e é endossada por declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de que, num eventual confronto contra Bolsonaro, o PSDB apoiaria Haddad”.

Ciro Gomes seria mais inflexível que Haddad, mas não menos temido pelos investidores — sempre segundo a leitura dos jornalistas do Valor.

“Ciro Gomes é outro nome que gera muita tensão entre investidores. Embora tenha um discurso também fiscalista, referendado por seu assessor econômico, Mauro Benevides, Ciro defende medidas consideradas populistas. Uma delas é a promessa de oferecer um mecanismo para tirar o consumidor do SPC, o que passaria pelo uso dos bancos públicos. Também propõe um duplo mandato para o BC — de inflação e emprego –, o que aponta para menor autonomia para a autoridade monetária. E fala em buscar um nível de câmbio que estimule a economia, o que arranharia o regime de câmbio flutuante”, disse o texto do diário sobre o candidato do PDT.

Outra reportagem que chamou a atenção foi a da Bloomberg, que tem grande entrada nos mercados financeiros do Brasil e de Wall Street.

Reproduzido pela revista Exame, da família Civita, o texto diz que Haddad pode não ser o bicho papão do mercado.

Um trecho:

“Haddad é mais pragmático e menos ideológico”, disse James Gulbrandsen, gestor da NCH Capital. “Há uma chance razoável de reformas mínimas que mantenham o Brasil fora da zona de default sob uma gestão Haddad.” A julgar pela retórica da campanha de Haddad e o programa de governo apresentado pelo PT, o mercado tem razão em se preocupar, sob a ótica dos investidores. Bancos públicos devem ser usados para oferecer crédito a juros baixos, a reforma trabalhista e o teto de gastos aprovados na gestão Michel Temer seriam desfeitos e mecanismos de controles de capital seriam usados para ajudar a estabilizar o câmbio. Haddad frequentemente ataca o que ele chama de oligopólio dos bancos brasileiros. “Não temos mais paciência com esses caras, precisamos dar um choque nos bancos”, disse recentemente. Os aliados do ex-prefeito afirmam que é apenas discurso de campanha, argumentando que ele tem compromisso com políticas econômicas mais ortodoxas e é um pragmático capaz de fazer a travessia da retórica de campanha ao governo. Como prefeito de São Paulo, Haddad teve gestão fiscal responsável, promoveu um impopular aumento de tarifas de ônibus e obteve grau de investimento para a cidade.

Esses movimentos de morde e assopra do mercado não são incomuns.

Costumam ser os passos que antecedem uma proposta de namoro nos bastidores, através do qual o candidato modera suas posições em troca de uma trégua do mercado.

Num texto certeiro, o jornalista Sérgio Lírio deu uma informação de bastidores, hoje, em CartaCapital:

Não se sabe a identidade do responsável, mas um balão de ensaio foi lançado no picadeiro das notícias eleitorais: Fernando Haddad, confirmado como candidato à presidência da República na terça-feira 11, estaria propenso a nomear para o Ministério da Fazenda um economista ortodoxo, defensor da austeridade fiscal e do tripé macroeconômico (câmbio livre, superávit primário e metas de inflação). Alguém com o perfil de Marcos Lisboa, senão o próprio. Seria uma tentativa de reeditar a conciliação do primeiro mandato de Lula, que assinou a Carta aos Brasileiros, um compromisso com os bancos apresentado durante a campanha de 2002, e entregou a Antônio Palocci a chave do cofre, em um gesto de boa vontade dirigido aos mercados.

Trata-se de mera especulação, mas esta é justamente a especialidade da famosa mão invisível do mercado.

Leia também:

Desconhecido atira bomba no candidato do PT ao governo do Paraná

O post Com dólar batendo recorde de 24 anos, Golpe vai atrás do que lhe interessa num eventual governo Haddad: o controle da política econômica apareceu primeiro em Viomundo – O que você não vê na mídia.

Publicação de: Viomundo