Lulinha e Resistência. Joka Madruga/PT e reprodução

Acampamento Lula Livre tem dois mascotes: Lulinha e Resistência

As duas cachorrinhas foram acolhidas pelos militantes que fazem vigília pela liberdade do ex-presidente e agora recebem alimento, carinho e atenção

por Thea Tavares, para a Agência PT de Notícias 

Duas cachorrinhas, sem raça definida e sem coleira de identificação, que vagavam há dias pelas imediações do Acampamento Lula Livre, no bairro Santa Cândida, em Curitiba, foram acolhidas pelos acampados e, agora, recebem alimento, carinho e atenção.

“Lulinha”, de pelo branco e com médio porte, foi encontrada pelo Caubói, da Caravana de Londrina.

Era madrugada, fazia frio e ela estava vagando muito fraca e esfomeada pela região. Caubói e um vizinho do acampamento trataram de garantir os primeiros cuidados à cachorrinha: água limpa, comida e coberta.

Também percorreram as redondezas para saber se alguém tinha perdido um cãozinho com essas características, mas foi em vão.

Arrumaram uma coleira para passear com ela e as pessoas se revezam nessa função. Sempre tem alguém passeando e cuidando dela.

Uma tarde dessas, Lulinha se soltou e foi parar do outro lado do acampamento. Ficou apreensiva e triste, mas bastou rever o londrinense Caubói para fazer festa, lamber seu rosto todo, como sabemos que ficam quando estão felizes.

Caubói tem três cachorrinhos em casa e já avisou à família que Lulinha integrará o grupo, mas só depois que voltarem para casa.

Os acampados, sempre que encontram um bichinho vagando, saem perguntando pela vizinhança do prédio da Polícia Federal, no posto de combustíveis, nos demais comércios da região. Foi assim que acharam recentemente o dono de um cachorro preto que estava perdido.

Ao cuidar, asseguram alimentação, atenção e abrigo. Estabelecem lugar para o xixi e o cocô do bichinho e se responsabilizam pela limpeza do local, bem como pelos passeios, sempre guiados por coleira.

Outro caso emblemático dessa acolhida e do respeito aos animais é a história da cachorrinha Resistência, que integrantes da caravana do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC encontraram vagando na via rápida.

Ela é filhote ainda e já perguntaram em tudo quanto foi canto e não encontraram quem se identificasse como dono da cachorrinha.

Resistência foi adotada, colocaram nela uma bandana da campanha #LulaLivre e improvisaram uma cobertura de abrigo da chuva e do frio.

Resistência passa de colo em colo no acampamento e já virou a mascotinha do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, seu futuro lar em São Bernardo do Campo, SP.

Leia também:

A carta de Lula ao acampamento da resistência em Curitiba

O post Acampamento Lula Livre já tem duas mascotes: Lulinha e Resistência apareceu primeiro em Viomundo – O que você não vê na mídia.

Publicação de: Viomundo