Monthjunho 2017

Huelga por derechos movilizó miles de manifestantes en todo Brasil este viernes


MOVILIZACIÓN

Las manifestaciones fueron organizadas por los frentes Brasil Popular y Pueblo Sin Miedo

Redacción |
En São Paulo, manifestantes se concentraram en la Avenida Paulista, la principal de la megalópolis Brasil de Fato

Miles de manifestantes en Brasil participaron este viernes de protestas en la llamada huelga por derechos, convocada por los frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo (Pueblo Sin Miedo), compuestos por movimientos populares y centrales sindicales. Los trabajadores que adhirieron al paro nacional ocuparon desde las primeras horas del día, vías y carreteras en todo Brasil.

Em Pernambuco, en el noreste del país, los bloqueos de calles y carreteras en apoyo a la huelga tuvieron como objetivo mandar un mensaje a las patronales que controlan la política: los trabajadores no aceptarán ningún recorte de derechos. En todo el estado, decenas de vías y carreteras fueron bloqueadas, en el campo y en la ciudad.

En Recife, Elizângela de Jesus, del Movimiento de Trabajadores Sin Techo (MTST), resaltó el rol de las mujeres en las luchas contra las reformas laboral y de seguridad social, defendidas por el gobierno golpista de Michel Temer.

“Las mujeres estamos en lucha contra las reformas del gobierno Temer y contra la tercerización; estamos luchando por nuestros derechos”, defendió Elizângela.

En las calles de Salvador, capital de Bahia, y en el interior de ese estado, centenas de trabajadores protestaron y pidieron [elecciones] Directas Ya. La militante del Movimiento de Trabajadores Sin Tierra (MST), Socorro Varela, afirma que salió a las calles para rechazar el recorte de derechos del pueblo brasileño: “No vamos a aceptar ni un derecho menos”.

En el sur del país, en ciudades de Rio Grande do Sul, se registraron casos de represión policial. Manifestantes fueron detenidos arbitrariamente. A pesar de la violencia policial, trabajadores de diferentes categorías se quedaron cruzados de brazos este viernes.

Al norte, en Pará, integrantes del Movimiento de Afectados por Represas (MAB por sus siglas en portugués), realizaron una protesta en el municipio de Altamira. Para Edizângela Barros, militante de MAB, el gobierno golpista está recortando derechos y es importante que los trabajadores se manifiesten en contra.

“En la comunidad de Altamira, los afectados y afectadas por las represas de Belo Monte nos sumamos a esta lucha de la huelga general porque este gobierno está recortando nuestros derechos, y es algo que no aceptaremos”, dijo Edizângela Barros, militante del MAB.

En Paraná, al sur del país, hubo manifestaciones en al menos diez ciudades. En Araucária, en la región metropolitana de Curitiba, trabajadores petroleros y petroquímicos bloquearon la carretera de Xisto. En Ponta Grossa, manifestantes bloquearon la salida de autobuses en terminales. Según el profesor de la Universidade Estadual de Ponta Grossa e integrante del Frente Pueblo Sin Miedo, Cláudio Dias, el bloqueo fue una de las acciones de protesta contra las reformas.

En Brasília, capital del país, y en las ciudades satelites del Distrito Federal, las calles amanecieron vacías. En las universidades y escuelas públicas no hubo clases. Las estaciones de metros y autobuses no recibieron pasajeros, debido al paro de motoristas y cobradores.

En São Paulo, integrantes del Frente Pueblo Sin Miedo bloquearon diversas vías y ocuparon el zaguán del aeropuerto de Congonhas. En la Avenida Paulista, la manifestación reunió a miles de personas que pedían “Fuera Temer”y [elecciones] Directas Ya. El director de una escuela pública, José Geraldo, afirma que está en las calles para garantizar un mejor futuro para sus hijos y nietos.

“Estoy aquí porque quiero un país mejor para mis hijos, para mis nietos, quiero que Brasil llegue a ser una República de verdad. No es posible que se denuncien al presidente y a varios ministros por corrupción y eso pase por alto”, dijo el director.

En Rio de Janeiro, las protestas ocurrieron en la capital, en la región metropolitana y en interior del estado. Por la mañana, la vía expresa RJ-071, conocida como “Linha Vermelha”, fue bloqueada a la altura del campus Fundão de la Universidade Federal do Rio de Janeiro (la UFRJ). La avenida Brasil, una de las principales de la ciudad, también fue bloqueada. La manifestación en el centro de la ciudad reunió a aproximadamente 15 mil personas.

En la capital de Minas Gerais, Belo Horizonte, unas 60 sucursales amanecieron cerradas contra las reformas laborales y de seguridad social. Manifestantes realizaron una marcha hasta la Praça Sete, dónde ocurrió una manifestación convocada por movimientos populares y centrales sindicales. Otras ciudades de Minas también organizaron protestas con bloqueos de calles, como Montes Claros y São João del Rei.

Reformas

La reforma de seguridad social está en el centro de las protestas que están ocurriendo en el país en los últimos meses. Entre los cambios propuestos por el gobierno Temer en el sistema de pensiones está el aumento de la edad mínima de jubilación para 65 años para los hombres y 62 años para las mujeres, ambos con 25 años de contribución al Instituto Nacional del Seguridad Social de Brasil (INSS). Pero para cobrar el valor integral, la población tendrá que comprobar 40 años de contribución.

La reforma laboral también es uno de los motivos de las protestas, la propuesta del gobierno Temer propone, entre otras medidas, la posibilidad del patrón dimitir y recontratar personal a través de la tercerización y con sueldos menores.

La reforma también permite jornadas laborales de hasta 12 horas seguidas.

Esta semana, la Comisión de Constitución y Justicia del Senado aprobó, por 16 votos a 9, el informe del senador Romero Jucá, del PMDB, favorable a la reforma laboral. Ahora, la reforma pasará a la sesión plenaria del Senado y puede ser votada en la próxima semana.

Como explica Marcelo Rodrigues, presidente de la Central Única de Trabajadores (CUT), el pueblo está en las calles contra el recorte de derechos: “Desde ayer por la noche estamos organizando las manifestaciones para hoy, que llevaron muchas personas a las calles. El pueblo de Rio de Janeiro, los trabajadores y las trabajadoras demostraron su capacidad de movilización con las intervenciones en las calles, mostrando que se disponen a luchar contra las reformas del gobierno golpista, reformas que quitan nuestros derechos, derechos duramente conquistados por los trabajadores y trabajadoras”.

Mais de 40 mil trabalhadores se mobilizaram em BH por Diretas Já e “Fora, Temer”


Rádio

Em mais de 30 municípios mineiros manifestantes saíram às ruas e paralisaram as atividades

Amélia Gomes |
Em Itatiaiuçu o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra abriu o pedágio da rodovia 381 Marcius Barcelos / Frente Brasil Popular

Petroleiros, eletricitários, bancários, profissionais da educação e da saúde, metalúrgicos e diversas categorias cruzaram os braços na greve geral desta sexta-feira (30).

Pela manhã, rodovias foram trancadas em diversas cidades e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) abriu o pedágio da BR 381 na altura do município de Itatiaiuçu. Na capital, o metrô não circulou durante todo o dia e também houve bloqueio da Avenida Antônio Carlos, um dos principais corredores da capital mineira.

Além de Belo Horizonte, Viçosa, Uberlândia, Juiz de Fora e em outros 25 municípios mineiros, manifestantes também se reuniram em protesto contra o governo de Temer e contra as reformas e perdas de direitos impostas pelo golpista. Mais de 40 mil pessoas se reuniram na capital mineira para pedir eleições diretas já.

Beatriz Cerqueira, presidenta da Central Única dos Trabalhadores (CUT) de Minas Gerais, afirma que as categorias se mobilizaram em peso para esta greve geral.

Uma audiência pública na Assembléia Legislativa marcou o fim do ato em Belo Horizonte. Junto com parlamentares, movimentos populares e sindicais debateram os rumos do país e a luta contra a retirada de direitos.

“Não circulou um ônibus sequer em Aracaju, greve foi vitoriosa”, diz liderança


Sergipe

Dez cidades e mais de 50 sindicatos de diversas categorias aderiram à mobilização

Redação (*) |
Centro de Aracaju (SE) vazio, com a adesão dos trabalhadores à Greve Geral. Márcio Garcez

A capital de Sergipe, Aracaju, amanheceu nesta sexta-feira (30) com os terminais de ônibus vazios após os trabalhadores rodoviários, motoristas e cobradores decidirem cruzar os braços e se unirem às demais categorias que participaram da greve por direitos contra as reformas trabalhista e da previdência. 

Militantes da Frente Brasil Popular, centrais sindicais e os movimentos populares também ocuparam os portões das empresas de ônibus da capital. Desse modo, os rodoviários decidiram não sair das garagens e os ônibus deixaram de circular na cidade.

Em todo o estado, mais de 50 sindicatos de diversas categorias aderiram à greve. Além disso, mais de 30 escritórios de advocacia de Sergipe também se somaram às manifestações. Assim, nesta sexta, os serviços de transporte público, comércio, bancos, dentre outros, paralisaram suas atividades.

Herick Argôlo, militante da Frente Brasil Popular, faz uma avaliação do ato: “Não houve um ônibus sequer circulando aqui em Aracaju e também os comerciários fecharam as portas, o grande comércio não funcionou aqui na capital, portanto o ato foi vitoriosíssimo e houve aqui uma verdadeira prova de que a Frente Brasil Popular se enraizou em todo o estado, pois todas as regiões construíram atos e em todas houve sindicatos aderindo à greve geral”.

Durante o dia também houve trancamento de pelo menos 20 pontos em ruas, avenidas e estradas, conforme anunciaram as entidades que compõem a Frente Brasil Popular do estado. Atos foram realizados em pelo menos 10 municípios do estado.

(*) com informações do site Expressão Sergipana

Pato morre queimado na Paulista, mas está vivinho nos céus da República

Da Redação

Durante a manifestação contra as reformas trabalhista e da Previdência nesta sexta-feira 30, na avenida Paulista, o pato da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo foi sacrificado (vídeo do Mídia Ninja).

Um ato simbólico, para marcar o desaparecimento dos paneleiros.

Mas, o pato vive.

Vive nas próprias reformas, que motivaram o apoio da Fiesp ao golpe contra Dilma Rousseff.

Vive no cinismo do dono de galpão Paulo Skaf, que arrecadou, armou protestos e panfletou jornais pela derrubada de Dilma mas agora, diante de um presidente denunciado por corrupção, diz que não cabe à entidade se envolver em política.

Vive no encontro fortuito entre Michel Temer e o ministro do STF Gilmar Mendes, flagrado como moleque de recados do senador Aécio Neves cabulando votos no interior do PSDB.

O pato vive nos sorteios do STF, que transformaram Gilmar Mendes em relator de inquérito de seu amigo José Serra e do chanceler Aloysio Nunes Ferreira e o tucano Alexandre de Moraes em relator de inquérito contra Aécio Neves.

O pato vive na soltura do “homem da mala” de Michel Temer, no descaso do juiz Sergio Moro com a delação de Eduardo Cunha e nos amplos incentivos dados pela Lava Jato a delatores que citam Lula e o PT.

O pato vive e voa — livre, leve e solto — na decisão do ministro Marco Aurélio de devolver Aécio Neves ao Senado, ainda que ele tenha sido flagrado praticando obstrução de Justiça. Por menos que isso, Delcídio do Amaral passou 87 dias preso, delatou e foi cassado.

Para completar o escárnio, Marco Aurélio elogiou a carreira política de Aécio na decisão e sugeriu que a vitória de Dilma Rousseff em 2014 foi resultado de fraude eleitoral.

Ou seja, para o ministro do STF os 7 milhões de votos dados ao senador Aécio em Minas valem muito — mais que os 54 milhões recebidos por Dilma Rousseff?

O STF, é bom lembrar, nunca se manifestou sobre o golpe dado contra Dilma no Congresso, sem crime de responsabilidade, por pilantras encabeçados por Eduardo Cunha.

Petistas argumentam que as decisões sobre o deputado Rodrigo Rocha Loures e o senador Aécio foram juridicamente corretas. Mas, escancaram os dois pesos, duas medidas.

E nunca é demais lembrar que o roteiro de Romero Jucá dizia que o acordão seria “com o STF, com tudo” — nesse “tudo” aí, cabe muita gente.

Leia também:

De volta ao mandato, Aécio pode perseguir desafetos, adverte Rogério Correia

O post Pato morre queimado na Paulista, mas está vivinho nos céus da República apareceu primeiro em Viomundo – O que você não vê na mídia.

Publicação de: Viomundo

Greve por direitos leva mais de 40 mil às ruas de São Paulo


Fora Temer

Centrais sindicais comemoraram adiamento da votação da reforma trabalhista e prometem grande mobilização em Brasília

Rute Pina |
Manifestantes queimam "o pato da Fiesp" em frente à sede da entidade na Avenida Paulista Nina Azambuja | Jornalistas Livres

Cerca de 40 mil pessoas se reuniram em frente ao Museu de Artes de São Paulo (MASP) na Avenida Paulista, nesta sexta-feira (30). O ato encerrou o dia da Greve por Direitos na capital paulista contra as reformas da Previdência e trabalhista.

O ato contou com diversas apresentações musicais e baterias durante toda a tarde. A manifestação expressou a pluralidade das entidades que compõem as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e levou sencundaristas, professores e sem-teto para as ruas da cidade. Os cartazes também pediam “Fora, Temer” e eleições gerais e diretas.

Douglas Rizzo, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) SP, avaliou o dia de paralisação em São Paulo: “Esse ato finaliza aqui no estado de São Paulo um dia intenso de mobilizações, com assembleias, trancassos, passeatas, e a paralisação de importantes categorias profissionais: bancários, servidores públicos municipais, estaduais e federais, metalúrgicos, químicos, eletricitários. Então hoje foi um dia de paralisação pra pressionar senadores a votar contra as reformas da previdência e trabalhista”

Por volta das 19h, o ato saiu em caminhada pela Rua da Consolação em direção ao centro da capital paulista.

Vagner Freitas, presidente nacional da CUT, anunciou que os movimentos populares e centrais sindicais vão organizar um grande ato proximamente em Brasília.

O ato encerrou em frente à Igreja da Consolação, no centro, depois de uma hora e meia de caminhada.

La policía detiene manifestantes e invade un sindicato durante la huelga en Brasil


Represión

En diversas ciudades hubo represión policial; en São Paulo, la policía trasladó manifestantes a la comisaría

Mayara Paixão |
Militantes son detenidas por la Policía Militar en la región central de la ciudad de São Paulo Jornalistas Livres

En Brasil, movilizaciones en defensa de derechos y contra las reformas del presidente golpista Michel Temer, del PMDB, registran casos de represión contra manifestantes y contra un sindicato. Este viernes (30) hubo represión policial en manifestaciones de calle y militantes fueron detenidos en por lo menos tres estados, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, y la policía invadió un sindicato en Rio de Janeiro.

Desde las primeras horas de la mañana, diversas categorías de trabajadores paralizaran y sindicatos y movimientos populares han levantando bloqueos y siguieron realizando protestas en todo el país. Las manifestaciones hacen parte de la “huelga por derechos”, convocada por centrales sindicales, que se movilizan contra las reformas laboral y de las pensiones de Temer. Las manifestaciones en apoyo al paro, convocadas por los frentes Brasil Popular y Povo Sem Medo (Pueblo Sin Miedo), ocurren en diversas ciudades.

São Paulo

En la capital de São Paulo, dos militantes de la Central de Movimientos Populares (CMP) fueron detenidas por la policía militar, alrededor de las 8:30 de la mañana. Elaine Gonçalves da Silva y Antonia Glaucia de Araujo estaban desayunando en una panadería en la región central de la ciudad cuando fueron abordadas por policías sin ninguna justificación, señala el movimiento. Antes, las dos habían participado de un bloqueo de calles en el cruce de dos avenidas céntricas, Ipiranga y São João.

“Estaba tomando mi café cuando los policías llegaron, me arrastraron hasta el coche, me dijeron que me llevarían a la comisaría, me golpearon, quitaron mi celular y empezaron a escuchar los audios de Whatsapp, me esposaron. Yo no tengo nada que ver con eso, fue terrible”, relató Elaine en un video publicado por la organización.

En el análisis de Raimundo Bonfim, coordinador de la CMP, la acción refleja el proceso de “criminalizar la lucha social e impedir el derecho, garantizado por la Constitución Federal, de manifestarse a la luz del día”.

“Como siempre, la Policía Militar brasileña, en especial la policía de São Paulo, comandada por el gobernador Geraldo Alckmin (del PSDB), actúa en la manifestación con su modus operandi: la total represión”, completa el dirigente que esta mañana también fue amenazado de detención en una de las manifestaciones, la que ocurrió en la Rodovia Anchieta, una de las carreteras del estado de São Paulo.

Elaine y Antonia fueron llevadas a una de las comisarías del centro de la ciudad para averiguaciones. El Brasil de Fato intentó contactar a la comisaría para esclarecer los motivos de la detención, pero esta no contestó hasta el cierre de este reportaje. Las dos manifestantes fueron liberadas.

En la ciudad de São José dos Campos, en el interior del estado, 21 trabajadores – entre maestros, directores del sindicato de los químicos, de los metalúrgicos, activistas sin-techo y sin-tierra –, que participaron del acto contra las reformas fueron detenidos y conducidos para el Primer Distrito Policial del municipio. La detención ocurrió tras dueños de tiendas de la región alegaren que se sintieron constreñidos con la protesta, lo que podría ser clasificado en el artículo 197 del Código Civil, como crimen de constreñimiento. Todos fueron liberados algunas horas después y tras los dueños de las tiendas no reconocieren a ninguno de los activistas.

Por la noche, la Policía Militar reprimió y detuvo a manifestantes que participaban de una protesta de estudiantes que seguía de la Plaza de la Sé hacia la Avenida Paulista, en la ciudad de São Paulo. Según informaciones desde el local, seis personas fueron conducidas para el 78º Distrito Policial (DP), en el barrio de Jardins. El Brasil de Fato intentó contactar al DP, pero no obtuvo respuesta.

Aún en la capital de São Paulo, una parte de la protesta convocada por los sindicatos y los movimientos, que empezó en la Avenida Paulista, caminó en dirección a la Alcaldía y fue reprimida por la Policía Militar. Este grupo tenía fuerte presencia de jóvenes y anarquistas. Una estudiante de la secundaria, menor de edad, fue detenida, según relatos desde el local.

Santa Catarina

Las movilizaciones en el estado de Santa Catarina fueron duramente reprimidas por la Policía Militar, que disparó balas de goma y gases lacrimógenos, según los relatos de los manifestantes. Dos militantes del Movimiento de los Trabajadores Rurales Sin Tierra (MST) fueron detenidos por la policía, según ellos, sin justificación, durante el bloqueo de la carretera BR 101, cerca del municipio de Navegantes.

“Llegaron disparando. Estábamos tranquilos, los motoristas también. No había ningún motivo para llegar así. Empezaron a disparar y corremos para refugiarnos en la gasolinera”, relató Révero Ribeiro, del MST, que estaba presente en el momento de las detenciones.

“La segunda persona detenida había intentado dialogar con la policía y fue esposada, en una actitud totalmente represiva, porque las esposas sólo deben ser usadas cuando alguien se resiste al arresto”, comentó Daniela Cristina Rabaioli, abogada del movimiento, sobre las circunstancias de la detención.

La Policía Militar no informó para cuál local condujeron a los manifestantes. Para la abogada que acompaña el caso, el hecho representa una arbitrariedad, pues es un derecho del ciudadano saber dónde se lo llevan.

Daniela también presentó que el recelo se basa en un precedente del año 2010, cuando un militante del movimiento fue detenido y se quedó incomunicable y sin derecho a la defensa por casi 12 horas, pues la policía no informó para dónde lo habían conducido. “La incomunicabilidad del detenido es una violación de derecho muy grave”, completa.

Después de por lo menos tres horas, los abogados supieron que los dos militantes fueron llevados a una comisaría en el municipio de Itajaí.

Momento en que un militante del MST es detenido en Santa Catarina | Foto: CUT

Rio de Janeiro

En el estado de Rio de Janeiro, representantes del Sindicato de los Empleados del Comercio de la ciudad de Nova Iguaçu denunciaron que la Policía Militar irrumpió, sin identificación, en la sede del sindicato  por la mañana, poco antes de la manifestación que iria ocurrir en el municipio.

Uno de los dirigentes del Sindicato, José Roberto, relató, en conversación con el Brasil de Fato, que la policía invadió el local cerca de las 9h de la mañana e intentó conducirlo a la comisaría, pero la movilización de los trabajadores presentes en el espacio la impidió. “Fue una maniobra para desmovilizar a los trabajadores que participan ahora de una gran protesta en Nova Iguaçu. Intentan impedir nuestra lucha a todo momento”, dijo el dirigente.

El reportaje contactó a la Comisaría de Policía Judiciaria Militar de Nova Iguaçu a través del teléfono y del correo electrónico, pero esta no contestó hasta el cierre de este texto.

Porto Alegre

Dos dirigentes de la Central de Trabajadores y Trabajadoras de Brasil (CTB) fueron detenidos en la mañana de este viernes, durante un piquete frente a la cochera de la empresa Carris, em Porto Alegre, en Rio Grande do Sul [región sur del país].

Según la asesoría de prensa de la organización, los dos manifestantes fueron llevados al Palacio de la Policía y fueron liberados.

La CTB optó por no informar el nombre de los dirigentes de la central que fueron detenidos. Según la entidad, los dos militantes estaban frente a la cochera de la empresa de transporte cuando fueron abordados por dos guardias de paisano, los hicieron arrodillar y los golpearon. Uno de ellos se quedó con el rostro hinchado por los golpes, pero no denunció las agresiones ni fue conducido al hospital, según informe.

En las redes sociales circulaban informaciones sobre detenciones de otros dos dirigentes de la Central Sindical y Popular Conlutas; se contactó la organización, pero esta no ha presentado informaciones oficiales sobre el caso.

El Brasil de Fato también contactó el Palacio de la Policía, que no supo informar sobre el ocurrido y que aguarda el retorno de la oficina pública responsable por la revisión de delitos en flagrancia de la ciudad.

Rogério Correia: Decisão do ministro Marco Aurélio sobre Aécio é escárnio; ele passa mão na cabeça do senador flagrado pedindo propina e ainda faz elogios; veja vídeo

Ministro determina retorno de Aécio Neves ao exercício das funções de senador

do site do STF

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal (STF), restabeleceu o exercício do mandato do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e afastou as outras medidas restritivas implementadas contra ele (proibição de contatar outro investigado ou réu no processo e de ausentar-se do país).

A decisão do ministro foi tomada após agravos regimentais apresentados pelo senador e reconsidera a decisão do relator original da Ação Cautelar (AC) 4327, ministro Edson Fachin, que determinou o afastamento de Aécio do mandato e as demais medidas.

“É mais que hora de a Suprema Corte restabelecer o respeito à Constituição, preservando as garantias do mandato parlamentar. Sejam quais forem as denúncias contra o senador mineiro, não cabe ao STF, por seu plenário e, muito menos, por ordem monocrática, afastar um parlamentar do exercício do mandato. Trata-se de perigosíssima criação jurisprudencial, que afeta de forma significativa o equilíbrio e a independência dos Três Poderes. Mandato parlamentar é coisa séria e não se mexe, impunemente, em suas prerrogativas”, afirmou o ministro Marco Aurélio.

Ele apontou ainda que é incabível o afastamento do exercício do mandato, em liminar, sem a existência de processo-crime contra o parlamentar. Na ocasião da decisão do ministro Edson Fachin, ainda não havia denúncia contra o senador Aécio referente ao caso em questão.

“Vale notar que, no âmbito da Casa Legislativa, do Senado, há de ser resolvida a questão, considerado até mesmo possível processo administrativo-político por quebra de decoro, se é que houve. O Judiciário não pode substituir-se ao Legislativo, muito menos em ato de força a conflitar com a harmonia e independência dos Poderes”, citou o ministro Marco Aurélio.

Caso

Em maio deste ano, o ministro Edson Fachin impôs ao senador medidas cautelares diversas da prisão por considerar presentes indícios da prática dos crimes decorrentes do acordo de delação premiada firmado entre pessoas ligadas ao Grupo J&F e o Ministério Público Federal. Na ocasião, ele apontou a necessidade de garantir a ordem pública e a instrução processual.

Posteriormente, o ministro Edson Fachin determinou o desmembramento do Inquérito (INQ) 4483, mantendo sob sua relatoria apenas a investigação relativa ao presidente Michel Temer e o ex-deputado federal Rocha Loures, e encaminhou a parte da investigação relativa ao senador Aécio Neves para a presidência do Supremo, para que o caso fosse redistribuído entre os demais membros do STF.

O ministro Marco Aurélio foi sorteado como o relator do INQ 4506, que apura supostos crimes praticados pelo senador. Dessa forma, a AC 4327 foi redistribuída ao ministro, por prevenção.

PS do Viomundo:  O despacho do ministro Marco Aurélio (na íntegra, abaixo) sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG) tem 16 páginas.

O trecho lido nesta sexta-feira (30/06) pelo deputado estadual Rogério Correia (PT-MG), durante sua fala na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, está na página 13. Reproduzimos ao lado. Parece até feito por advogado de defesa do senador tucano, o Mineirinho.

Decisão do ministro Marco Aurélio sobre Aécio Neves by Conceição Lemes on Scribd

O post Rogério Correia: Decisão do ministro Marco Aurélio sobre Aécio é escárnio; ele passa mão na cabeça do senador flagrado pedindo propina e ainda faz elogios; veja vídeo apareceu primeiro em Viomundo – O que você não vê na mídia.

Publicação de: Viomundo

Pará: Movimentos populares fazem marchas e atos contra reformas do governo golpista


Protestos

Medidas das reformas afetam diretamente a população do campo, diz líder sindical

Lilian Campelo |
Caminhada de movimento de mulheres, dirigentes sindicais, coletivos da juventude cidade direção ao mercado de São Brás, em Belém Lilian Campelo

No estado do Pará, manifestações contra as reformas do governo golpista de Michel Temer ocorreram nas cidades de Belém, Marabá, Santarém, Tailândia e Altamira. Em Santarém, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do município esteve presente nos atos que, segundo Manuel Edivaldo Santos Matos, presidente do sindicato, têm caráter educativo, pois mostra à população o que está ocorrendo no país. 

Em depoimento para o Brasil de Fato, Manuel cometa os principais motivos de adesão à greve. “A gente inicia falando sobre o congelamento. São 20 anos de investimentos para uns setores importantes na área social, por exemplo, saúde, educação. Esse é o primeiro ponto. Junto com esse pacote vem agora a medida provisória 759, de 2016, que já tramitou na Câmara Federal, no Senado e ainda está nessa turbulência, porque existem muitos pontos que vêm diretamente atingir a agricultura familiar”.

Em Belém, na capital do estado, rodoviários, centrais sindicais e movimentos populares aderiram à greve e fizeram atos em pontos da entrada e saída da cidade. Na Praça da República, localizada no centro, também ocorreram manifestações, onde dirigentes sindicais, mulheres e coletivos da juventude foram em direção ao mercado São Brás para encerramento do ato. 

“Nosso país esta com a moral muito baixa, nós precisamos retomar a moralidade e para isso, só derrubando esse governo, derrubando o Congresso e o próprio Judiciário. Porque todos esses três poderes estão contra a população mais baixa, ou seja, a classe social mais baixa, que é a classe trabalhadora”, conclui o presidente do Sindicato em Santarém.

Luta contra as reformas de Temer contagia todo o Brasil

Por Patrícia Cornils, especial para os Jornalistas Livres

Este é um país em movimento. Ainda que as categorias ligadas ao transporte na em São Paulo (ferroviários, metroviários, motoristas de ônibus) tenham decidido não entrar em greve nesta sexta-feira, dia 30 de junho, em outros estados houve paralisações: o metrô de Belo Horizonte não funcionou, ônibus e metrô de Brasília também não, Salvador parou, rodoviários fizeram greve em Belém do Pará. Sindicatos e federações de bancários de praticamente todo o país, de acordo com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), aderiram à greve geral. O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região estima em 30 mil o número de trabalhadores parados em 212 locais, sendo 12 centros administrativos e 200 agências. Os petroleiros também aderiram à greve geral. Além de terminais e plataformas, pararam dez refinarias. A greve nas refinarias, iniciada hoje, não tem data para acabar. É uma resistência à intenção da Petrobras de reduzir de 15% a 25% o número de trabalhadores na área de refino.

A greve foi maior que a de 28 de abril? Não. Naquele momento as centrais sindicais foram unânimes no apoio à paralisação, o que não aconteceu desta vez. A União Geral dos Trabalhadores (UGT), por exemplo, decidiu fazer mobilizações de protesto contra as reformas trabalhista e da Previdência, mas não aderiu à greve. “As centrais, já na preparação desse movimento, disseram: vamos parar o Brasil com diferentes atividades e não necessariamente com uma greve geral como a do dia 28”, constata o economista Marcio Pochmann em entrevista à Rádio Brasil Atual. As explicações para isso são várias. Categorias como os motoristas de São Paulo receberam severas multas por conta da paralisação do dia 28 de abril, repara Pochmann.

A União Geral dos Trabalhadores, à qual o Sindicato dos Motoristas de São Paulo é filiada, decidiu não convocar greve. “Não tivemos capacidade de conscientizar os trabalhadores da dimensão da reforma trabalhista. Estamos estarrecidos com o fato de que 513 deputados a aprovaram, um texto que passou de sete itens para 117 itens e que pretende, cirurgicamente, acabar com os sindicatos no Brasil, permite que patrões escolham interlocutores para negociar com a empresa, permite o trabalho de mulheres em condições insalubres, permite a realização de acordos individuais”, diz Ricardo Patah, presidente da UGT. Isso quer dizer que não se repetirá mobilização como a de 28 de abril no Brasil? Também não. A própria UGT avalia a possibilidade de chamar nova greve geral em julho/agosto, desta vez contra a reforma da Previdência. “Contra esta o povo vai para a rua e vai fazer o governo recuar”, acredita ele.

A reforma trabalhista, objeto de curto prazo da greve de hoje, é “muito mais perversa do que a reforma da Previdência” mas também é “menos conhecida”, explica Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Dieese, também à Rádio Brasil Atual. “As pessoas têm uma menor compreensão do impacto que a reforma trabalhista terá sobre a vida dos brasileiros e das brasileiras”. Independente disso, o que se viu, hoje, é resultado de um movimento que, acredita ele, não vai arrefecer. Os movimentos envolvem cada vez mais gente, constata ele, “cada um fazendo na base, no seu sindicato, na sua cidade, na sua categoria, o movimento que os próprios trabalhadores definiram, uns paralisando atividades, outros fazendo passeatas, marchas, manifestações, atos”, explica. “Este é um ganho que pouco se vê, mas cada vez mais categorias e pessoas são incorporadas ao debate sobre as reformas. Há diferentes iniciativas e o que se observa é que de fato o movimento atinge pequenas, médias e grandes cidades, e algumas capitais com uma paralisação mais intensa”, diz.

Para Ganz, a resistência agora é importante para que o país não perca nem direitos nem os instrumentos para sustentar seu desenvolvimento, como as empresas públicas, os recursos naturais, as indústrias nacionais. “Há tanta coisa sendo destruída nesse processo e esses movimentos precisam dar conta de entender o que está acontecendo e construir um posicionamento para que a trajetória de nosso país seja alterada em direção a uma estratégia de desenvolvimento com justiça, igualdade, distribuição de renda e bem estar”. As centrais e movimentos vão conseguir construir esta posição conjunta? Ainda não sabemos. Mas a dinâmica do governo contribui para que isso aconteça, de uma forma perversa, como se pode constatar pela fala de Guilherme Boulos, coordenador da Frente Povo Sem Medo, também à Rede Brasil Atual. “Nós temos um Congresso Nacional que legisla de costas para a sociedade brasileira, 70% da população rejeita a reforma trabalhista e eles estão levando adiante; 89% da população quer diretas, e eles estão barrando. Estão criando cada vez mais um perigoso abismo do Congresso Nacional e também do governo para o resto da sociedade brasileira. Você para, os caras continuam; faz luta, os caras continuam; para o Brasil, os caras continuam; vai chegando um ponto em que o povo perde a paciência e só resta a desobediência civil. É isso que essa turma está plantando no Brasil.”

Todos os estados e o DF têm protestos contra reformas do governo Temer”, é a manchete do portal G1 neste momento, às 17h35 da tarde. Na cobertura minuto-a-minuto da Central Única dos Trabalhadores pode-se ver como o dia foi em todo o país. Os Jornalistas Livres cobriram durante todo o dia as manifestações e lutas dos trabahadores. Helicópteros já sobrevoam as proximidades da Avenida Paulista, onde há um ato das frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular. Planta-se algo neste país. O que brotará, veremos nos próximos meses.

O post Luta contra as reformas de Temer contagia todo o Brasil apareceu primeiro em Jornalistas Livres.

Publicação de: Jornalistas Livres

O Brasil luta contra as reformas de Temer

O povo brasileiro demonstrou seu repúdio às reformas pretendidas pelo golpista Michel Temer, execrado pela maioria da população. De maneira mais descentralizada do que na greve do dia 28 de abril, eclodiram gritos contra a perda de direitos em centenas de cidades e nos cenários mais surpreendentes.

Na avenida Paulista, o “pato” é queimando em frente à sede da Fiesp. Por Nina Azambuja/Jornalistas Livres

No aeroporto de Congonhas, em São Paulo, por exemplo, uma multidão de trabalhadores sem teto ocupou todo o saguão de embarque, gritando “Fora Temer” e “Diretas Já”. O mais legal foi o apoio de muitos passageiros que, apesar do transtorno, apoiavam o protesto, dizendo ser preciso derrotar o presidente golpista.

Aeroporto de Congonhas ocupado pelo MTST. Por Lina Martinelli/ Jornalistasa Livres

Houve de tudo: de fogo ateado a pneus, passeatas, trancaços, saraus e ocupações, até paralisações de categorias inteiras.

 

Em Salvador, Belém, Recife, Goiânia e Brasília, os ônibus não saíram das garagens e as cidades ficaram desertas até o meio da manhã. Portuários de Rio Grande (RS), Angra dos Reis (RJ), Rio de Janeiro capital, São Luís, no Maranhão, também aderiram ao movimento.

Foram registrados atos no DF e nos seguintes estados: Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

Leia abaixo o resumo dos acontecimentos da manhã deste dia heroico de lutas.

Rio Branco (Acre): Início da concentração no Palácio Rio Branco. Fotos: Manoel Façanha

Acre

Trabalhadores protestaram no Palácio Rio Branco e caminharam até o terminal urbano de ônibus.

Alagoas

Por volta das 6h, manifestantes fecharam os dois sentidos da Avenida Fernandes Lima, em Maceió. Também houve bloqueio na Avenida Assis Chateaubriand, no Pontal da Barra.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a BR-101 em Rio Largo, no km 75, foi bloqueada às 5h40 e liberada às 7h40.

Rodoviários paralisam as atividades entre as 8h e 12h. Servidores da Eletrobras e da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) também aderiram à paralisação.

Diretas Já em Macapá/AP

Amapá

Trabalhadores fazem ato contra reformas no Centro de Macapá desde as 8h .

Nas primeiras horas da manhã, macapaenses ficaram sem ônibus. Os coletivos fizeram uma paralisação de duas horas, de 6h às 8h. Um grupo fechou a Rodovia Duca Serra.

Categorias decidiram entrar em greve. Entre elas, estão a dos bancários, dos servidores públicos em educação, dos servidores públicos federais civis e dos serventuários da Justiça.

Amazonas

Manifestantes fizeram uma passeata no Centro de Manaus entre as 9h30 e 11h30. O grupo percorreu as avenidas Ferreira Pena, Leonardo Malcher, Epaminondas e 7 de Setembro. O trânsito ficou parcialmente bloqueado nessas vias.

Bahia

Rodoviários pararam os ônibus em fila na Avenida ACM (região do Iguatemi), no sentido Paralela, em Salvador, por volta das 6h30. Um grupo de manifestantes fechou todas as vias da região. Em outros locais da cidade, os ônibus circulam normalmente. O ato foi organizado por centrais sindicais e movimentos sociais.

A estação de trens do Subúrbio de Salvador não abriu nesta sexta-feira e não há circulação dos veículos ferroviários. Na região metropolitana, manifestantes bloquearam o cruzamento da região de Mataripe, em Madre de Deus, por volta das 5h.


Ceará

Protestos fecharam vias de Fortaleza nesta manhã. Houve congestionamentos nas Avenidas 13 de Maio, da Universidade, Visconde do Rio Branco, Imperador e Domingos Olímpio em Fortaleza. Servidores do Sindicato de Trabalhadores Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro) pararam cerca de 15 ônibus e esvaziaram os pneus dos coletivos.

Bancários aderiram à paralisação. A concentração dos grevistas acontece a partir das 9h, na Praça da Bandeira, no Centro de Fortaleza.

Distrito Federal

O Distrito Federal amanheceu com estações do metrô fechadas. Os ônibus de todas as empresas também permaneceram nas garagens.

Nas rodovias do DF, as faixas exclusivas foram liberadas mesmo em horário de pico.

Bancários, professores e servidores da Universidade de Brasília aderiram à paralisação.

Espírito Santo

Manifestantes bloquearam uma via em frente à Rodoviária de Vitória, e houve confronto com a Polícia Militar, que usou bombas de efeito moral. O grupo seguiu em passeata pela cidade, até a região do aeroporto.

Ônibus circulam normalmente na Grande Vitória. No campus Goiabeiras da Ufes, estudantes, docentes e técnicos-administrativos bloqueiam as entradas de carros.

Goiás

Houve paralisação do transporte público em Goiânia. Manifestantes bloquearam a saída de ônibus de uma garagem durante a madrugada e o início da manhã. Devido aos protestos previstos para o Centro da capital goiana, algumas rotas foram alteradas, e nenhuma linha está atendendo a região.

Maranhão

Grupos bloquearam os quatro portões de acesso ao Porto do Itaqui, em São Luís, e que é um dos principais entrepostos comerciais do Maranhão. Nem a Polícia Militar, nem a organização do protesto divulgaram o número de manifestantes.

Categorias como as dos bancários, professores da rede pública estadual, vigilantes, petroleiros, motoristas e cobradores de ônibus, metalúrgicos,disseram que cruzam braços nesta sexta.

Mato Grosso

Manifestantes ligados ao MST fazem bloqueios em dois trechos da BR-364, nas cidades de Jaciara e Jangada. Também foram registradas vias fechadas em Tangará da Serra e Barra do Garças. Nesta última cidade, há uma passeata pela Avenida Ministro João Alberto. De acordo com a organização, houve 800 participantes; a PM fala em 200 pessoas.

Professores e servidores das redes estadual e municipal aderiram à paralisação. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), a paralisação atinge 80% da rede estadual e 85% da rede municipal.

Mato Grosso do Sul

Um grupo com cerca de 5 mil pessoas protestou no Centro de Campo Grande.

Dois trechos da BR-262 e um da BR-158, em Três Lagoas, amanheceram fechados. Todos já foram liberados. Segundo a PRF, no km 5 da BR-262 e no 271 da BR-158, cerca de 90 pessoas participaram dos atos.

Professores aderiram à paralisação em Campo Grande, Corumbá, Ladário e Dourados.

Fora Temer em Ouro Preto

Minas Gerais

Protestos interrompem funcionamento do metrô e bloqueiam avenidas na Grande Belo Horizonte. O sindicato dos metroviários informou que o metrô fica parado da 0h às 11h59. Os ônibus estão funcionando normalmente.

Manifestantes colocaram fogo em pneus na Avenida Cristiano Machado, no bairro Palmares, na Região Nordeste de Belo Horizonte. O protesto foi no sentido Centro. A via foi liberada às 8h. A Avenida Padre Pedro Pinto, em frente à Estação Venda Nova, chegou a ser interditada, mas foi liberada às 7h30.

Em Contagem, na Grande BH, manifestantes bloquearam a Avenida Cardeal Eugênio Pacelli, no bairro Cidade Industrial. Na mesma cidade, outro grupo de manifestantes causava congestionamento no tráfego na Rodovia Fernão Dias, no sentido BH.





Pará

Os rodoviários do estado aderiram à greve e fizeram protestos desde a madrugada na região metropolitana de Belém. O sindicato promete impedir a saída de veículos – afetando o transporte de cerca de 1 milhão de pessoas. Vans fazem o transporte alternativo cobrando preços mais altos.

Paraíba

Protestos contra o presidente Michel Temer fecharam ruas, rodovias e o Terminal de Integração nas primeiras horas desta sexta-feira em João Pessoa. Após liberar o terminal de ônibus do Varadouro, os manifestantes ocuparam o entorno do Parque da Lagoa, no Centro, e inteditaram o trânsito no local. Segundo organização do protesto, cerca de 300 pessoas participam da manifestação. A PM não divulgou estimativa.

A rodovia BR-101, no trecho no km 123, próximo a João Pessoa, foi interditada às 8h, segundo Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Em Campina Grande, manifestantes interromperam a saída dos ônibus da garagem da maior empresa de transporte coletivo da cidade. O Terminal de Integração, contudo, estava funcionando normalmente até as 7h desta sexta-feira.


Paraná

Sindicalistas fizeram protestos em algumas cidades do interior do Paraná. Metalúrgicos protestaram durante a manhã por cerca de duas horas. Funcionários da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar) também se manifestaram em frente à empresa e seguiram em direção à BR-476. O trecho está totalmente interditado, nos dois sentidos, desde as 8h40. Na capital, os ônibus do transporte coletivo funcionam normalmente desde o início da manhã.

Em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais do Paraná, os ônibus do transporte coletivo foram impedidos de sair das garagens no início da manhã. Às 7h, os veículos começaram a sair das garagens.

Em Londrina, na região norte, os acessos ao Terminal Central foram bloqueados por volta das 6h, e os ônibus estão sendo liberados aos poucos.

Trabalhadores da Repar interditaram a BR-476, em Araucária (Foto: Divulgação/Sindicato dos Metalúrgicos )

Pernambuco

Rodovias federais foram interditadas no estado durante a manhã. Na região metropolitana do Recife, as BRs 101 Norte e Sul foram afetadas por manifestações, assim como a BR-232, em Bonança, a BR-428, em Paudalho, e a BR-428, em Petrolina.

Na área central da capital, houve bloqueios em avenidas. O Metrô funciona em esquema especial – fica parado entre as 9h e as 16h.

No Agreste pernambucano, manifestantes do MST fecharam um trecho da BR-232 em São Caetano.

Manifestantes bloquearam os dois lados da BR-232 em São Caetano (Foto: Anderson Melo / TV Asa Branca )

Piauí

Em Teresina, motoristas e cobradores paralisaram atividades às 6h e bloquearam as principais vias no Centro da cidade. Durante o movimento, apenas 30% da frota será mantida, e a maioria dos veículos só volta a circular por volta das 12h.

Manifestantes ligados ao PCR, UJR, UJS, UP, MLC, MLB, Tribo Sindical e Povo Sem Medo fecham a Linha Vermelha (RJ), em protesto contra as reformas – Fotos: Jornal A Verdade*

Rio de Janeiro

Protestos em vias importantes dificultavam a circulação no Rio de Janeiro nesta manhã. A cidade entrou em estágio de atenção por causa dos protestos e do trânsito acima do previsto.

Manifestantes fecharam a Linha Vermelha, a saída para a Avenida Brasil da Ponte Rio-Niterói, a própria Avenida Brasil e o acesso ao aeroporto do Galeão. Houve uma manifestação no saguão do aeroporto Santos Dumont.

No interior do estado, um protesto fechou a BR-356 em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. Cerca de 60 pessoas participaram do ato.

Rio Grande do Norte

Natal amanheceu sem ônibus nesta sexta. Apesar de o Tribunal Regional do Trabalho do RN ter determinado que pelo menos 70% da frota fossem colocados em circulação, os veículos não deixaram as garagens. Foram registrados bloqueios em cinco municípios: Natal, Ceará-Mirim, Maxaranguape, João Câmara e Mossoró.

Professores de escolas municipais de Natal, bancários, policiais civis e trabalhadores da saúde aderiram à paralisação.

Rio Grande do Sul

Garagens de ônibus de diversas cidades dos estados amanheceram em greve. Por volta das 6h45, a saída das garagens de todas as linhas de Porto Alegre foram liberadas, conforme a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). Sete ônibus foram apedrejados pela manhã.

Também há interrupção no trânsito de ruas e avenidas de Porto Alegre. O serviço de trens entre Porto Alegre e Novo Hamburgo foi interrompido na madrugada, mas retomado por volta das 6h30, com passe livre.

Professores de escolas estaduais e municipais, bancários e parte dos serviçores da Justiça aderiram à paralisação.

Rondônia

Mais de 30 categorias paralisaram as atividades em Rondônia, segundo os sindicatos, entre elas os professores, os bancários e os correios.

Em Porto Velho, o movimento se reuniu na Praça das Três Caixas d’Água e saiu em passeata por volta das 10h. Os manifestantes devem percorrer as Avenidas Carlos Gomes, Farquar, Sete de Setembro, Marechal Deodoro e por fim retornar a Carlos Gomes. Segundo a organização, há cerca de 2 mil participantes.

Roraima

Manifestantes bloqueiam duas avenidas de Boa Vista – Av. Brigadeiro Eduardo Gomes e Av. Venezuela, trecho urbano da BR-174. As vias foram fechadas às 6h. De acordo com a o presidente da Central Sindical e Popular Conlutas de Roraima, Kardec Jackson, 50 pessoas participavam do ato até as 8h. A Polícia Militar não acompanha o protesto.

Professores da capital, bancários e trabalhadores da saúde aderiram à paralisação.

Manifestantes bloqueiam Avenida Venezuela, em Boa Vista

Santa Catarina

Pelo menos três rodovias registram bloqueios no início da manhã no estado. Na Grande Florianópolis, os ônibus pararam de circular às 8h e só devem voltar às 11h. À tarde também está prevista outra paralisação de duas horas.

Na BR-282, houve confronto entre a polícia e manifestantes. Bombas de efeito moral foram jogadas para tentar liberar o trânsito. Duas pessoas ficaram feridas, segundo os participantes. Após ação da PM, por volta de 6h50, o grupo se dispersou, e a rodovia foi liberada. Os manifestantes afirmam que o ato teve aproximadamente 200 manifestantes.

Em Navegantes, a BR-470 foi totalmente bloqueada no km 08 por uma hora e meia, desde as 5h30. Cerca de 200 pessoas estavam na rodovia, segundo a PRF, e aproximadamente 400, segundo os manifestantes. Por volta das 7h, outro grupo bloqueou o km 110 no sentido Norte da BR-101. A PRF disse que a rodovia foi liberada às 8h.

Em Chapecó, os ônibus das primeiras horas da manhã não foram até o terminal urbano. Em Araranguá, no Sul, trabalhadores fazem uma caminhada pelas ruas da cidade com cerca de 1 mil pessoas, de acordo com organizadores. A PM não fez estimativa.

São Paulo

Manifestantes interditaram vias e rodovias da região desde cedo – Anchieta e Régis Bittencourt foram afetadas. Acessos aos aeroportos de Congonhas, na Zona Sul, e de Cumbica, em Guarulhos, foram bloqueados, e manifestantes chegaram a entrar no saguão de Congonhas.

Unidade da Sabesp, em Guarapiranga, paralisou as atividades desde às 5h, com apoio da CTB nacional e estadual.

Manifestantes protestam no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo. Centrais sindicais e movimentos sociais convocaram para hoje, 30, uma nova greve geral em protesto contra as reformas da Previdência e trabalhista, propostas pelo governo Temer (Foto: Nelson Antoine/Estadão Conteúdo)

Interior de SP

Na Baixada Santista, sindicalistas e trabalhadores fizeram protestos e bloquearam vias de Santos e São Vicente. Além da paralisação das centrais sindicais, trabalhadores do Porto de Santos iniciaram uma greve de 48 horas nesta sexta.

Em Piracicaba, sindicalistas protestaram na praça central da cidade e discursaram, com críticas ao governo e às reformas que tramitam no Congresso.

Na região de Campinas, houve bloqueio de vias e a Rodovia Santos Dumont (SP-075) foi interditada. Petroleiros da Replan, em Paulínia, iniciaram uma greve por tempo indeterminado nesta manhã.

Centrais sindicais também fecharam uma avenida e uma rodovia em Jundiaí. Em Sorocaba, transportes urbano, intermunicipal, rodoviário e de fretamento estavam 100% parados.

Em Itapetininga, serviços de transporte urbano, intermunicipal, rodoviário, de fretamento e de cargas também pararam, afetando cidades da região.

Em Limeira, a paralisação do transporte público afetava cerca de 50% da frota.

No Vale do Paraíba, manifestantes bloquearam a Rodovia Presidente Dutra e a entrada de fábricas na região de Pindamonhangaba.

Sergipe

Três trechos da BR-101 foram fechados, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Em Aracaju, ônibus não circulam desdes as primeiras horas do dia. Houve atos na ponte do Conjunto João Alves Filho, município de Nossa Senhora do Socorro, que faz divisa com a capital e na Rodovia Marechal Rondon, em frente à garagem de uma empresa de ônibus, no município de São Cristóvão (SE).

Bancários, professores, trabalhadores da saúde e servidores da Justiça aderiram à paralisação.

Tocantins

Manifestantes na avenida Juscelino Kubitschek, em Palmas. Mais de 1 mil pessoas participam do ato. A concentração começou por volta das 8h, em frente ao Colégio São Francisco, na quadra 110 Norte. A intenção é encerrar o protesto em frente ao Palácio Araguaia, na praça dos Girassóis.

O post O Brasil luta contra as reformas de Temer apareceu primeiro em Jornalistas Livres.

Publicação de: Jornalistas Livres

© 2017 bita brasil

Theme by Anders NorénUp ↑